quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

A DIFERENÇA ENTRE CASTIGO E CONSEQUÊNCIA



Um castigo é bem diferente de uma consequência mas, muitas vezes, estes dois conceitos são erradamente confundidos…
O castigo faz com que a criança tenha medo.
A consequência faz com que a criança aprenda, através da experiência própria, o que queremos que ela perceba.
O castigo não tem relação com o que a criança fez mas, a consequência está logicamente relacionada com a ação tida pela criança, ajudando-a a perceber que errou e o que pode fazer para a próxima.
Por exemplo, se a criança não come a salada ou a sopa, a consequência pode ser não ter sobremesa. É uma consequência logica e está relacionada com o comportamento tido pela criança.
Agora, dizer à criança que fica sem sobremesa porque não arrumou os brinquedos, não tem qualquer sentido! O que tem a sobremesa a ver com arrumar brinquedos? Esta atitude é um castigo…Está longe de ser uma consequência, longe de ser algo que ajude a criança a perceber o que não deve fazer para a próxima e, que comportamento alternativo pode ter.
Para podermos usar a consequência, temos de ser consistentes, caso contrario, vamos contradizer-nos em frente à criança, gerando perda de confiança em nós e no meio à volta dela…Pior do que isso, se a nossa consequência rapidamente deixa de existir após uns gritos e choros mais altos por parte da criança, ela vai começar a entender que, quando chora muito, chateia muito, acaba por ter o que quer e, não vai aprender absolutamente nada em relação às consequências que os seus comportamentos podem ter.
Por isto, deve manter a sua decisão até ao fim ainda que o faça de forma controlada e calma, dizendo por exemplo: “Eu percebo que estás desejosa de comer a sobremesa mas, eu não ta posso dar enquanto não comeres a sopa”
A criança reclamar é normal mas, nós, os pais não temos de ceder por isso.
Também não temos de fazer a criança sentir-se culpada ou envergonha-la pois, desta forma, a criança vai interiorizar que ELA é má e não que o seu comportamento foi MAU.
Tendo em conta que o que queremos é fazer com que a criança modele o seu comportamento, não será grande ajuda fazê-la sentir que o problema é ela.
É que a criança não pode mudar a pessoa que é mas, o seu comportamento ela pode mudar, precisa é de saber que é isso que pretendemos que ela mude…
Quando nos centramos na criança e não no seu comportamento, o foco dela passa a ser a angustia de se sentir mal, de sentir má.
Para além disso, estamos a ensinar-lhe a fazer as coisas apenas para obter algo, algo externo a si, quebrando assim a capacidade da criança para desenvolver a sua motivação intrínseca.
Também, por vezes, arranjamos discussões e zangas que podiam ser evitadas se déssemos espaço à criança para efectivamente perceber as consequências do seu comportamento…Imagine uma situação onde, em pleno inverno, a criança diz que quer ir de manga curta para a escola.
O que lhe parece mais acertado…Chatear-se e dizer 1000 vezes que ela não pode por isto e por aquilo, a criança fazer birra e gritar, os pais acabarem por gritar também e ser um stress ou, deixar a criança sair de manga curta, experienciar o frio e ela mesma perceber o que lhe está a querer explicar?
Claro que convém sempre levar na mala um casaco quentinho para quando a criança perceber que não foi uma boa escolha a manga curta mas, é muito importante também que não seja sarcástica e diga “eu avisei-te”. Será bem mais saudável dizer à criança “é verdade, está mesmo frio não é? Se quiseres trouxe aqui o teu casaco…”
Desta forma a criança vai saber, através do experienciar as coisas, que não é boa ideia usar manga curta no inverno e, são estas aprendizagens que ficam…As aprendizagens que é a própria criança a processar…Quando somos nós a massacrar e a dizer que acontece isto e acontece aquilo e a mandar, a criança nem ouve entrando a 100 e saindo a 200!

Fátima Poucochinho
Psicóloga Infanto Juvenil
ASAS, Portimão